Hello, Agosto

IMG_20140805_112208

Todo mês no meu caderninho de organização eu defino pequenas 5 metas (variadas, algumas já estão dentro da anual) a serem realizadas durante o mês, também anoto em um post-it e coloco em um local visível no meu quarto. Normalmente costuma surtir um ótimo efeito. Agora também quero compartilhar aqui essas metas e rever o post no fim do mês de acordo com suas realizações.
Vamos para as metas de Agosto:

1. Procurar na minha cidade um vestido de formatura (caso não encontre, pretendo ir pra SP)
2. Ir ao banco ver quanto $ posso usar para orçar e tentar definir o desenhista do meu TCC
3. Separar as minhas e pegar com colegas fotos tiradas durante a faculdade
4. Aniversário namorado: surpresa + presente + cartão
5. Ir na faculdade todas as segundas-feiras para adiantar o TCC

Recompensa: Aquele negócio da recompensa que serve de estímulo para realização das tarefas…

Que se inicie um bom e produtivo mês!!

E Não é que teve copa!!

img1406592886563

 

Sei que este post está beeeeeem atrasado, mas como uso o blog como um diário pessoal, gostaria de deixar registrado nesse espaço onde, como e que jeito foi os jogos do Brasil que assisti.

Meu namorado andou esses dias cheio de trabalho, então procuramos não ”inventar muita moda” e assistir da forma mais tranquila possível!!

O primeiro jogo (Brasil x Camarões) assistimos na casa dos meus sogros mesmo, meu namorado fazia questão de assistir com o pai. Fomos só nós, mas foi bem gostosinho, minha sogra inventou um salgadinho de salsicha que ficou uma delícia.

O segundo jogo (Brasil x México) fomos em um shopinng aberto da cidade, onde estava sendo o ”point” mais badalado… Por sorte conseguimos um lugar privilegiado na frente do telão (encontramos por coincidência o primo do Beto), estava bem lotado e caótioc (confesso que achei ”agito” e ”empurra empurra” demais rs). Terminado o jogo fomos convidados pelo sócio do meu namorado para irmos jantar pizza na casa dele.

O último jogo das quartas de final (Brasil x Camarões) assistimos no apê do meu namorado, com meus sogros e um casal de amigos muito queridos, minha sogra mais uma vez arrebentou nos quitutes!! Nosso amigo Fábio estava participando de um bolão, a cada lance ele soltava uma pérola para torcer favor e oras até contra, para alcançar o placar (acho que era 3×1).

O primeiro jogo das quartas (Brasil x Chile) finalmente conseguimos fazer um churrasco, por ser sábado na hora do almoço conseguimos reunir boa parte da turma na casa do Lipe, apesar de ter sido um jogo apreensivo, foi muito divertido estar e comemorar com o pessoal. Depois ainda seguimos pro apê do meu amor, onde ficamos até de madrugada!!

Animados com o sucesso do churrasco, decidimos fazer um segundo churrasco, este foi em casa, meus pais e até meu cachorrinho toddy se enturmaram com a galera, foi beeeem legal!!

O último e desastroso jogo, assistimos na casa do sócio do meu namorado, foi mais um casal que trabalha com eles, foi um jogo digamos que muito aflitivo e triste, demorou pra cair a ficha, do que estava acontecendo… algo realmente que vai marcar, o sentimento de não estarmos acreditando naquilo  que estava acontecendo… como comentamos: ”parecia pesadelo e que logo acordaríamos e estaria no início do jogo novamente, no hino nacional”.

 

 

Últimos dias de férias (o que fazer?)

infografico-ferias-de-inverno-2

     Imagem: blogvoeazul

Sim, minhas férias da faculdade estão chegando ao fim e ainda tenho muitas pendências para resolver, desde a esfera pessoal (livros pra ler, fotos pra revelar, projetos pra terminar, emagrecer + dieta, encontrar alguns amigos, visitar outros… etc, etc, etc…) até aquelas pendências chatas, que só conseguimos resolver quando temos um tempinho extra (consultas médicas, exames, banco). Também preciso tomar coragem e encarar o TCC (era para ter feito um pouco todo dia, 1 cap. por semana, mas… não tive saco muito menos vontade).

Como em tudo há um lado bom: se tivesse uma palavra para definir essas férias, certamente seria ”relacionamento” , passei tempo significativo com amigos próximos mas que com a correria do dia-dia pouco nos víamos, fiz visitas, curti com qualidade o tempo passado com meu namorado e família (minha irmã em especial, que estuda fora). Portanto apesar de não ter feito muitas outras coisas que devia. Foi uns dias muito especiais.

Como ainda não chegou ao fim, ainda dá tempo de tentar correr e resolver aquelas outras coisas, como impulso inicial, vou compartilhar aqui em forma de lista (adoro listas rs):

Obrigações:

Ir ao banco e desbloquear meu cartão.

Organizar minhas finanças e definir gastos pro próximo semestre

Fazer exames médicos

Retornar dermatologista

Marcar consultas: ginecologista e oftalmologista

Fazer pelo menos dois tópicos pendentes do TCC

Arrumar o computador

”Limpar” a memória do celular

Comprar material de desenho para o próximo semestre

Orçar desenhista TCC

Arrumar o carro (lavar, devolver os tapetes, calibrar)

Pedir segunda via da CNH

Lazer:

Terminar de ler o livro que estou lendo

Comprar um presente legal de aniversário de uma das minhas melhores amigas

Definir o presente de aniversário do namorado

Levar minha irmã para comer em um japa

Visitar uma amiga que teve filho (Claudinha)

Começar a escolher vestido da formatura

Mandar revelar ao menos 10 fotos (para projetos de scrapbook)

Definir lista de mercado para dieta

Fazer uma caminhada no calçadão

Chamar uma amiga e sua mãe para um lanche em casa com minha mãe (Flávinha)

Visitar e ajudar uma amiga na decoração do quarto do filho dela (Tali)

Escrever mais no blog

Será que consigo? Minhas férias terminam dia 04/08!!

 

 

 

 

 

Arquiternura – Livros que não podem faltar na minha estante arquitetônica

ProjetoArquiternura

Arquiternura, é o nome de um projeto onde várias blogueiras estudantes de arquitetura, dividem suas experiências e impressões na área, as meninas me receberam com muito carinho no projeto!

Para conhecer um pouco mais do projeto, segue o link no blog da Thuany, que foi a ”mentora” do mesmo, hehe!

 

Olá,

Finalmente de férias da faculdade, apesar de ter boa parte do meu tempo preenchido pelas obrigações profissionais do estágio, nessa época, sobra um pouquinho mais de tempo para fazer o que adoro, LER… dentro disso gostaria de apresentar pra vocês no arquiternura deste mês, os meu livros prediletos da área aqueles que na minha opinião todo arquiteto deve ler pelo menos uma vez, claro que há muitos livros que estão fora da lista, mas o enfoque é sobre o meu olhar particular sobre os meus ”queridinhos”.

Vamos a eles:

1) ARQUITETURA DE FELICIDADE: Alain de Botton é um filósofo que faz reflexões sobre diversos temas cotidianos, dentre eles fez um profundo estudo sobre como a arquitetura e forma de morar pode influenciar o jeito de viver das pessoas, sendo um determinante de sua qualidade de vida e representação de seus anseios, medos e personalidade.

arquitetura-da-felicidade

 

 

2) NEUFERT – A ARTE DE PROJETAR EM ARQUITETURA: Considerado uma das mais brilhantes obras técnicas dos últimos tempos, um verdadeiro clássico na área da concepção projetual,  sua primeira edição data de 1936. Um manual prático e sistematizado de normas, dimensões, programas  e concepções de como se deve projetar e construir uma infinidade de ambientes e edifícios. Muito usado como consulta.

ArquivoExibir

 

 

3) EDITORA SENAC: Sabe aqueles livros que você lê em uma sentada? De forma leve e objetiva os livros voltados para arquitetos da editora Senac tratam temas importantes de uma forma muito dinâmica e didádica. De layout bonito e cheio de imagens para exemplificar seus textos. Em particular gostei muito do Criando Paisagens, um verdadeiro “B a Ba” do paisagismo.
arquitetura

 

 

4) ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA DO BRASIL: Livro essencial para entender os principais movimentos arquitetônicos ocorridos no País de 1920 – 1970 bem como seus principais autores: Warchavchik, Niemeyer, Lúcio Costa, Reidy, Rino Levi, Artigas, Paulo Mendes da Rocha entre outros. Mostrando suas contribuições para formação de nosso patrimônio arquitetônico, político e histórico social.

persp_arquitetura_contemporanea_br

 

 

5) MANUAL DO ARQUITETO DESCALÇO: Guia prático dos diversos temas que relacionam arquitetura e  sustentabilidade. Mostrando diferente eco tecnologias e maneiras de construir e ensinando como aplicá-las.

livro-manual-do-arquiteto-descalco-emporio-do-livro_MLB-F-3059486208_082012

Estes são alguns dos meus queridinhos muito lidos e consultados durante o curso, e vocês? Quais os livros que não estão nessa listagem que me indicaria?

Grande beijo

Giovanna

Veja também as experiência com arquitetura nos blogs das meninas: AlanaAliceCarolina e Pâmela.

TCC – Definições importantes (Tema e Orientador)

 

ProjetoArquiternura

 

Arquiternura, é o nome de um projeto onde várias blogueiras estudantes de arquitetura, dividem suas experiências e impressões na área, as meninas me receberam com muito carinho no projeto!

Para conhecer um pouco mais do projeto, segue o link no blog da Thuany, que foi a ”mentora” do mesmo, hehe!

Olá, no arquiternura desse mês irei falar um pouco da execução do tão temido TCC – Trabalho de Conclusão de Curso ou TFG – Trabalho Final de Graduação, enfim são inúmeros os nomes dados, a este trabalho final,  no qual me dedicarei nos próximos messes afim de obter o meu título de graduação em Arquitetura e Urbanismo. Acredito que este tema não dê para ser bem detalhado em um único post, portanto o dividirei em 3 partes, que apresentarei nos próximos arquiternuras.

IMG_20140303_111146

Iniciarei por alguns pontos básicos, no entanto fundamentais para um bom desenvolvimento do trabalho.

1. DEFINIÇÃO DO TEMA

Desde o ano passado, já tinha alguns temas em minha mente que me agradava e pensava em desenvolver no meu trabalho final, a idéia inicial era tentar aproveitar, pelo menos um pouco do tema que desenvolvi em minha IC – Iniciação Científica (tema de um próximo post), no entanto minha IC, se deu no ramo da área de Teoria da História da Arquitetura e Urbanismo, algo bem teórico e com quase nada de projeto arquitetônico. Como na minha faculdade, temos que entregar dois trabalhos (e 2 bancas ;o): uma Monografia (1º semestre, que entreguei agora dia 26 de Maio) sobre o tema escolhido e um Projeto Arquitetônico (2ºsemestre). Portanto teria que escolher algo que eu pudesse desenvolver ambas as coisas, o que não era o caso de minha IC, e lá foi eu achar outro tema e área de atuação dentro da arquitetura que me agradasse.

Tive o seguinte parâmetros para essa definição:

  • Algo que eu pudesse fazer um bom embasamento teórico – eu sempre adorei teoria, confesso que até mais que o ato de pojetar em si, o mundo de pesquisas acadêmicas e etc… sempre provocou em mim um enorme fascínio (pretendo fazer mestrado), portanto queria escolher um tema que eu pudesse fazer uma boa pesquisa e que de alguma forma no futuro contribuísse para meio acadêmico, e aproveitar o mesmo para escrever artigos, participar de congressos.
  • Algo que não se transformasse em um ”mostro”, na hora de desenvolver o projeto. Em muitas faculdades assim como a minha o TCC de Arquitetura é desenvolvido individualmente, portanto temos que ter em mente que se o tema for muitooooo extenso e complexo, teremos muita dificuldade na hora da execução do projeto, desde de a definição do programa de necessidade até os detalhamentos,  isso ao invés de favorecer o aluno pode atrapalhar, e muito.

TEMPLOS RELIGIOSOS

HABITAÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA OU CENTRO DIA (ASILO) – O meu tema se enquadra nesse;

ANFITEATROS

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SUAS VARIAÇÕES

CENTRO COMUNITÁRIO

ESCOLAS PRIMÁRIAS E CRECHES

ACADEMIAS DE ESPORTES – O meu tema também encontra-se dentro desse;

Alguns temas criativos que surgiram:

CENTRO DE EQUOTERAPIA

INCUBADORA DE EMPRESAS

BICILETARIA – Local de encontro para ciclistas na cidade, a proposta deste não envolveu somente uma oficina de reparos e lojas mas também um café/bar, praça de convívio e amplo estacionamento, para deixarem os carros durante o passeio de bike; (Foi o tema que eu mais ”paguei um pau” rs).

O título do meu trabalho foi: CENTRO MULTIDISCIPLINAR DE PROMOÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA

Queria trabalhar com o planejamento de ambientes destinados ao usuário idoso, analisando principalmente a influência que o envelhecimento causa sobre forma da pessoa interagir e responder ao ambiente construído.

Observei também a carência de locais adequados destinados a pessoa idosa na hora desta praticar exercícios físicos, então como projeto defini que faria um prédio (academia/clínica) que seria um centro especializado multidisciplinar, onde fisioterapeutas, nutricionistas, educadores físicos e psicólogos pudessem trabalhar juntos na promoção de uma melhora na qualidade de vida dessa população.Inicialmente pensei em reunir as seguintes modalidades de exercícios, bem como os profissionais responsáveis pelas mesmas: RPG, pilates, musculação e hidroginástica.

2. A ESCOLHA DO ORIENTADOR

Apesar de parecer algo simples, a escolha de seu orientador terá uma enorme influência durante todo o processo de desenvolvimento de seu trabalho. Digo isso, pois já nesses primeiros 5 meses de desenvolvimento de trabalho já tivemos colegas com sérios problemas com seus respectivos orientadores, inclusive tive uma colega muito próxima que resolveu atrasar 1 semestre seu TCC, para poder trocar de orientador.

Acredito que você não deva escolher seu orientador baseado somente em seu bom relacionamento ou amizade desenvolvida ao longo dos 5 anos ,principalmente pelo fato que muitas vezes seu tema não é da área de conhecimento de seu professor ”querido”, no entanto é fundamental que você tenha tido o mínimo de contato e relacionamento cordial com mesmo durante o curso. Pois é fundamental que você tenha confiança em seu orientador, ele não fará o trabalho por você, mas te dará as diretrizes a seguir e se você não confiar nelas, você ficará todo confuso e perdido.

Outro ponto que frisei na minha escolha foi na disponibilidade que esse orientador teria em me atender, nem sempre o melhor professor e profissional da faculdade será o melhor orientador, pois é natural que esse ”melhor” professor, justamente por ter se tornando o ”melhor”  têm uma agenda lotada de compromissos e muitas vezes um segundo ou até terceiro emprego, portanto sua disponibilidade será muito menor. Minha orientadora da Iniciação era uma professora e arquiteta de renome na cidade, ela tinha muita vontade em me ajudar, mas seus compromissos, viagens e clientes atrapalharam significativamente o desenvolvimento do trabalho, pois os horários de atendimento que ela marcava eram sempre esporádicos e ”malucos” , bem como as respostas de dúvidas que mandava por e-mail que demoravam às vezes dias por resposta. Já minha atual orientadora, ela só possuí a universidade como atividade profissional, portanto ela está quase todos os dias da semana na faculdade e sempre que pode nos atende entre uma aula e outra, além de um longo e caprichado atendimento semanal. Sobre e-mails, nunca vi pessoa tão rápida em responder, mando a dúvida  pela manhã e antes do almoço já obtenho resposta, também nos passou seu celular pessoal para tirarmos dúvidas rápidas via wats app. Só nessa primeira parte de desenvolvimento do trabalho sua disponibilidade, atenção e confiança mútua foram fundamental. Vi vários colegas totalmente perdidos desde coisas fundamentais de seu trabalho como conteúdo até pequenas superficialidades de como deveria ser entregue e formatado.

Quero ressaltar também que antes de escolher perguntei para os veteranos, sobre cada orientador, me lembro até hoje, quando no final do ano passado uma veterana elogiou sistematicamente minha orientadora, dizendo como ela era organizada e solicita, coisas que só se confirmaram. Em resumo brinco com os outros orientadores dela: ” se está difícil com a nossa orientadora, imaginem sem ela”.

No próximo arquiternura falarei sobre a forma como desenvolvi minha monografia  teórica e algumas dicas fundamentais sobre isso e como foi minha banca de meio de ano (que está marcada para a próxima quarta-feira dia 4).

Beijinhos

“Peça a Deus que abençoe seus planos e eles darão certo” Pv.16:3

 

Veja também as experiência com arquitetura nos blogs das meninas: AlanaAliceCarolina e Pâmela.

 

Experiência profissional: Móveis Planejados

Image

Arquiternura, é o nome de um projeto onde várias blogueiras estudantes de arquitetura, dividem suas experiências e impressões na área, as meninas me receberam com muito carinho no projeto!

Para conhecer um pouco mais do projeto, segue o link no blog da Thuany, que foi a ”mentora” do mesmo, hehe!

Olá, 

Hoje no Arquitenura, gostaria de falar um pouco sobre a experiência que tive trabalhando em uma loja de móveis planejados.

No final do meu segundo ano do curso, eu estava sem estágio e com as manhãs e tardes livres, já que em minha faculdade o curso é noturno, pois bem, diante dessa situação e depois deter passado um ano em um escritório eu queria ter outras experiências, foi então, que surgiu a oportunidade de trabalhar em uma loja de móveis planejados.

Entrei em uma loja que era uma franquia da fábrica Romanzza Planejados.

De início era para eu ser somente estagiária, mas como estavam precisando de funcionário na época em menos de um mês fui contratada, como vendedora projetista. Trabalhei lá por exatos um ano e aprendi muitas coisas, digo que foi o primeiro grande desafio profissional que vivenciei. Para ficar um pouco mais dinâmico a postagem, colocarei minhas considerações abaixo:

Funções exercidas e desafios:

  • Foi a primeira vez que tive contato direto com o cliente, pois era um atendimento bem personalizado. O cliente entrava na loja e eu mostrava todos os ambientes de nosso show room, depois disso, iniciava uma pequena entrevista, onde ele me falava sobre seus desejos e necessidades em relação ao projeto.
  • Algumas vezes o cliente já ia com a planta, mas muitas vezes não, então eu marcava um horário para poder ir em seu apartamento ou obra para tirar as medidas e só depois disso iniciava os estudos.
  • Com as medidas em mãos eu começava meus estudos, e montava um 3D dos ambientes solicitados.
  • O programa que utilizava era o mais usado na industria moveleira ou marcenarias é o PROMOB PLUS:

    O Promob Plus é um software desenvolvido especialmente para atender as necessidades de marceneiros e pequenos fabricantes. Totalmente em 3D, fácil de usar e muito flexível, permite que você crie projetos especiais sem complicações, com toda liberdade que o mercado sob medida exige.Totalmente em português, possui uma interface amigável com recursos intuitivos e muito visuais.  O software traz uma extensa biblioteca de móveis genéricos que podem ter todas as suas dimensões alteradas em altura, largura e profundidade e conta com uma completa biblioteca com itens de decoração e milhares de texturas de madeiras, pisos e acabamentos incluindo os principais fornecedores do mercado.Com o Promob Plus, você consegue demostrar ao cliente com mais realismo como seu futuro ambiente irá ficar.E além de projetar, o software auxilia nas definições para a fabricação. Apresenta um completo detalhamento com cotas e observações para impressão e integra-se aos principais sistemas de gestão e plano de corte do mercado.”  Maiores informações em: http://www.promob.com/pt

     Image

  • Com o projeto pronto, marcava um segundo atendimento com o cliente, onde apresentava o projeto, e juntos fazíamos alterações e muitas vezes refazíamos o projeto, até atender totalmente suas expectativas.
  • Quando realizada a venda, eu enviava o projeto por e-mail para a fábrica (os móveis eram produzidos na fábrica que ficava em Flores da Cunha – RS, os módulos e peças vinham prontos, e aqui na nossa cidade, nossos marceneiros, só realizavam a montagem.
  • Ao chegar os móveis, agendava a montagem com o cliente e acompanhava até o fim a montagem dos móveis.

Toda essa experiência complementou principalmente em dois sentidos meu processo de formação, primeiramente descobri que muitos arquitetos projetam ambientes, sem o menor planejamento de espaço necessário para as futuras instalações e mobiliário, que o mesmo receberá, deixando pouco funcional (o erro mais comum, são nas cozinhas, às vezes com muitas aberturas, de janelas e portas, dificultando a colocação de armários superiores e até mesmo coifa, outra situação comum, são quartos de casal minúsculos que mal cabem uma cama da casal convencional, aquela de 1.30m de largura, conheci muitos casais de clientes que pelo porte e estatura física ficariam muito desconfortáveis em uma cama de casal convencional, necessitando de uma queen ou king size, mais sem essa possibilidade, pois ou colocávamos a cama ou os armários ou acabávamos com qualquer possibilidade de circulação). Com essa experiência fiquei bestante condicionada a projetar meus ambientes sempre com um projeto de mobiliário junto, para ver se ”caberia” tudo no futuro. A segunda e tão importante coisa que agregou em minha formação, posso dizer que foi o fato de ter contato direto com o cliente, fazer entrevista, saber ler nas informações muitas vezes “escassas e jogadas” pelo cliente, para tentar acertar de primeira ou ter paciência para novamente escutá-lo e inciar muitas vezes do 0 o projeto. 

Vou colocar pra vocês, um dos projetos que fiz nessa época, é um sala de uma apartamento MRV:

Image  Image

 

Image  Image 

Veja também as experiência com arquitetura nos blogs das meninas: AlanaAliceCarolina e Pâmela.