RESUMO MÊS DE MARÇO

img1396027927583 (1)

Março começou com um feriado delícia, eu e o amor não fizemos nada de tão especial, mas passamos grudadinhos, vimos filmes, assistimos tv, descansamos muito, saímos com a turma, passamos ótimos momentos.

  • Pela primeira vez cozinhei pro love, fiz um strogonoff de dar água na boca!! (Amor comeu 3 pratadas!! \o/)
  • Ele também cozinhou para mim.
  • Completamos 3 meses de namoro!
  • Não posso deixar de falar, da batidinha delícia de coco que tomei em praticamente todos os dias do feriado.
  • Fizemos uma pizzada na casa de um amgio, coordenada por mim, até pizza doce de chocolate rolou.
  • Entreguei meu plano de pesquisa do TC (antes do prazo, sensação maravilhosa!! \o/).
  • Fiz pela primeira vez uma planilha de quantitativo de acabamento de obra, por ser uma obra enorme, dediquei dias e dias a isso, inclusive levei trabalho pra casa em um final de semana.
  • O outro estagiário que dividia serviço comigo, saiu o que fez com que acumulasse bastante serviço para mim, fiz bastante hora extra pra dar conta de tudo.
  • Por sermos turma de ENADE, o coordenador do curso resolveu lotar nossas janelas livres, com aulas para nos prepararmos pro mesmo.
  • Completei 6 meses, de atividade física regular, 3 x por semana fazendo treino funcional.
  • Minha irmãzinha passou na USP em Lorena, e saíu de casa para morar muito longe, estou sentindo uma falta dela, que mexeu até com o meus emocional =/ .
  • Foi aniversário da sogrinha e comemoramos com uma saídinha gostosa, em um barzinho irlandês que têm em minha cidade.
  • Eu e minhas 2 amigas-irmãs, fizemos uma deliciosa macarronada com atum para passarmos um tempo juntas  no sábado, devido a correria, cada vez menos temos tempo de nos ver, queremos combinar de pelo menos um momento assim por mês.
  • Saímos com 2 casais de amigos (um deles nosso casal cúpido),  para conhecermos um restaurante muito bom e todo “chiquetoso” na cidade vizinha.
  • Minha avó depois de muito insistir ganhou um cachorrinho, fato que está fazendo muito bem pra ela.
  • O grupo de estudo bíblico de meninas de 7 -10 anos que dou em casa todo sábado de manhã, voltou e com mais integrantes, estamos em quase 8/10 meninas, quando ninguém falta.
  • Os outros grupos que também participo na igreja voltaram, inclusive o de de jovens que estava fazendo muita falta!
  • Finalmente consegui marca um almoço durante a semana com minha amiga do trabalho/faculdade. Há 4 meses estávamos falando disso. Em uma sexta-feira fomos almoçar em um dos melhores restaurantes japa da cidade!!
Anúncios

10 lições que aprendi estudando arquitetura

ProjetoArquiternura

Para minha estreia no Arquiternura, como a ”veterana” das meninas, achei muito válido fazer um post, com alguns pequenos conselhos e observações sobre a vida de estudante de arquitetura, não quero dar uma de ”a tia sabichona”, mas como sempre fui adepta de tentar aprender com erros e acertos alheios, nada como tentar passar um pouquinho de minhas impressões sobre a faculdade. Claro que alguns tópicos, como por exemplo: experiências profissionais, quero no futuro detalhar melhor, por agora só irei citar levemente.

Arquiternura, é o nome de um projeto onde várias blogueiras estudantes de arquitetura, dividem suas experiências e impressões na área, as meninas me receberam com muito carinho no projeto!

Para conhecer um pouco mais do projeto, segue o link no blog da Thuany, que foi a ”mentora” do mesmo, hehe!

Vamos para minhas impressões:

1. Provavelmente você sempre foi o(a) melhor do desenho, trabalhos artísticos e manuais, do seu grupo de amigos da escola, sempre achou-se com um talento acima da média, até que… você entra na faculdade de Arquitetura!! E percebe que metade da turma é igual a você e que a outra metade é muito melhor!! Hahaha, uma espécie de frustração inicial! (Não se desespere, isso é absolutamente normal e vc irá desenvolver essa e muitas outras habilidades no decorrer do curso).

OwAAAB701f29v8ZHRBIfXzDlu4iAip8cmBY_rFEGdzKac2UHOrwOYUq1u9cqK_r3787ZoeMIYxQlK_07-QzbzLnaQJMAm1T1ULt5if9qOw-gJWki9wxqwP-FMgQI

Visita acompanhada pelo professor há uma obra, para aprender telhado! 1ºSemestre

2. NUNCA, entenderam? NUNCA, sob hipótese alguma, batam de frente com um professor! Professores de nível acadêmico já possuem um ego inflado, professores de arquitetura possuem um SUPER-HIPER-MEGA ego, aquele lance de se sentirem artistas através do talento da ”arte” de projetar. (Claro que existem, excessões, mas evitem, vai ter aquela nota – principalmente de projeto – que você irá discordar, pois segundo seu entendimento você cumpriu com o programa de necessidades, com o objetivo geral da proposta e fez um layout de prancha impecável – tente questionar com muita delicadeza uma vez, caso o professor mesmo assim não compreenda, DESENCANE, sério mesmo, você recupera a nota em outros trabalhos e não ganha a implicância desse professor  para o resto do curso em suas “correções subjetivas”).

3. A ESCOLHA DO GRUPO DE TRABALHO, (nesta questão eu poderia escrever uma página), Não existe grupo perfeito, todos os grupos terão aquele ”cidadão” que irá se encostar nos demais, o grande problema é a quantidade desses que você quer ter em seu grupo. Tente ter pelo menos um HOMEM no seus grupo, no meu têm dois, pois eles são muito mais fáceis de lidar, enquanto nós, a mulherada, está chorando, se descabelando e barraquiando nos nossos auges da TPM, eles estão ali segurando as pontas e tentando agir com o racional. Tenha pelo menos um integrante que entenda muito de auto cad e progamas de layout de pranchas. Tenha ou tente criar laços mais forte de amizade com pelo menos um integrante do grupo,  aquele que realmente chamará de amigo, que você irá desabafar, que te dará suporte nos momentos que quiser desistir. Encerro este tópico como iniciei, não existe grupo perfeito, provavelmente você fará 2 ou 3 tentativas até encontrar o grupo quase ideal, digo quase pq ideal é bem capaz que não encontre mesmo, então quando você encontrar algo próximo disso, não faça mais tentativas, não seja tão exigente com o próximo, pois assim como você é, serão com você, portanto fixe-se com esse colegas e siga com os mesmos até o fim do curso.

4. Escolhido o grupo, elabore uma dinâmica de trabalho do mesmo e tente seguir esses mesmos padrões. (Isso, infelizmente, demora um tempo, é na base dos erros e acertos, mas uma hora o grupo e cada um de seus integrantes encontram o melhor e mais e ágil padrão de se trabalhar). Para explicar melhor darei o exemplo de me grupo:

Professor pede um trabalho, na minha faculdade eles são divididos em 2 partes, (Estudo de casos semelhantes e embasamento teórico para proposta e o projeto arquitetônico em si. Como falei no outro tópico meu grupo são 6 integrantes e sempre os mesmos, ou seja, se um dos colegas faltar, ele continuará com seu nome garantido em nosso trabalho, até mesmo se for algum trabalhinho rápido que será entregue naquele mesmo dia. (padrão 1). Para começar o trabalho, sentamos o grupo todo, e um dos integrantes (aquele mais organizado e que não tem vergonha e não mede as palavras pra ficar cobrando a galera de cumprir com o proposto) juntamente com os outros, começa a dividir o trabalho em partes e programar ”nossas datas” de cumprir com o combinado (padrão 2), uma observação importante é que nossas datas são no mínimo uma semana antes da entrega, para podermos resolver qualquer imprevisto deixando uma margem de segurança. No nosso grupo, depois de um tempo, percebemos a habilidade de cada um, então fazemos essa divisão com base nisso, o que torna o trabalho mais ágil e gostoso (padãro3). Por ser os mesmos integrantes em todas as matérias, já tivemos situações em que uma parte do grupo focava em um trabalho de uma matéria e a outra parte no de outra, assim conseguíamos dar conta de tudo.

5. Faça uma Iniciação Científica. Desde o momento que entrei na faculdade sempre gostei da área de pesquisa, então era natural que eu buscasse tentar uma bolsa de estudos para desenvolver alguma pesquisa. No 3º ano, resolvi me dedicar a isso, nessa altura já tinha uma área que me atraía e depois de fazer um trabalho para uma matéria da grade, achei o assunto (não vou entrar em detalhes, pois quero fazer um post exclusivo disso). Só sei que foi uma experiência muito válida, ainda mais em arquitetura que há uma carência enorme de pesquisa teórica e muitos temas interessantes, se encontrar algum que goste e se dedicar há grande chance de ter um trabalho reconhecido. Além de ser uma ótima preparação para o TCC.

6. Tenha experiências profissionais em diversos campos que te interesse, a hora das tentativas são agora e a melhor forma de encontrar a área de atuação profissional, a que mais combina com você, é durante o período de estudos. Eu tive, até o presente momento, 3 experiências de estágio, sem contar com o atual (quero fazer um post detalhado com cada uma delas e minhas impressões pessoais, ressaltando os prós e contras de cada uma, nos próximos arquiternuras).

  • Escritório de arquitetura – 2º ao 3º Semestre. Trabalhava como desenhista projetista de cortes e ampliações. O interessante é que foi praticamente no mesmo momento em que aprendi a mesma coisa na faculdade, então era algo bem produtivo para o meu aprendizado.
  • Desenhista Projetista de Móveis Planejados – 4° ao 6° Semestre. Meu primeiro emprego de carteira assinada. Atendia os clientes e projetava exclusivamente para os mesmos. Além de ter sido meu primeiro contato de frente com clientes, peguei uma boa noção de design, mobiliário e etc…
  • Vendedora externa de materiais de revestimento – 7º  Semestre. Através da experiência com móveis planejados descobri que levava jeito  e gostava de atender cliente, e nessa experiência trabalhei visitando obras, buscando novos clientes e propondo opções de acabamentos para os mesmos, além de, é claro, aprender os variados tipos de revestimentos e sua aplicação.
  • Estagiária de campo de uma grande construtora8º Semestre até hoje em dia. Trabalho em uma grande obra que será um empreendimento comercial de lojas e duas torres de escritórios, além de levantamentos quantitativos para compras de materiais, eu acompanho as frentes de serviços que são executadas na obra bem como o seu índice de produtividade. Faço o que a contrução cívil chama de ”medição”.

8. Viaje, o arquiteto precisa sentir o espaço sensorialmente. Normalmente, as faculdades de arquitetura levam, pelo menos uma vez ao ano, o curso para viajar. A grana é curta, folgar do estágio é difícil, entre muitos aspectos que podem te atrapalhar de realizar, mas faça o máximo que puder, pois vale a pena. Fui em todas as viagens de minha turma, além de pequenos bate-e-voltas que organizávamos, sem o apoio da coordenação, para feiras e mostras na área. Aqui no estado de SP, tenho 3  anuais que vale a pena ir, nem que for uma vez na vida, (digo isso até pra profissionais de outras regiões do país) são elas:

– CASA COR SÃO PAULO

– CASA COR CAMPINAS (já estou combinando com a turma de ir em Maio deste ano)

– REVESTIR

 

MINAS

Viagem para Mariana, MG – 5º Semestre

9. Muitas vezes tive, e ainda tenho, medo do papel em branco. Sabe aquela hora que você têm que iniciar do zero uma nova proposta, intervenção, projeto e até mesmo texto acadêmico? e parece que NADA, absolutamente NADA, vem em sua mente. Ficamos dias e dias com esse bloqueio, postergando o ”fazer” dessa tarefa e quando vemos a data da entrega está aí e nada pronto!! Para combater esses dilemas repito, para mim mesma, o seguinte ditado: “Antes feito que perfeito”. Quando me encontro nessa situação, inicio, nem que seja um estudo (rabisco) que depois me envergonharei, mas cada traço ou palavra feita, me incentiva a continuar e ter a coragem necessária pra desenvolver. Confesso que há vezes que no meio desse processo surge uma brilhante ideia, depois que estou mais relaxada e menos abitolada nesse bloqueio, mas há também aquelas vezes que realmente, a ideia não fica nem perto do meu ideal de perfeição, porém pelo menos está feito e não perco nota no fim do mês, e de pontinho em pontinho, notinha em notinha… fechamos o semestre!

OwAAAFRTfAQNfkW6u9xmwjPWqy98aN19J-OiL_hWAR3Yiey-fpVh0KBZje6vR4sFTkBRXIWLFNVX3ROUCKRpns0s03kAm1T1UH6eLlWNDVsHdb7NHyq4Z16ixOn0

Primeira maquete realizada, tadinha… simplesinha que só

10. Se apaixone pela profissão. Entre em contato com outros profissionais, visite locais com um novo olhar, desbrave sua cidade, desenhe, leia, enfim… procure incluir a arquitetura em pequenos detalhes do seu dia-a-dia e sem dúvida nenhuma, descobrirá mais que um ofício e sim uma paixão!

100_4788

Visita há um dos stands da Casa Cor SP – 2012

Abaixo, o blog das outras parceiras, do projeto!!

Alana, Alice, Carolina e Pâmela

 

 

 

 

Um novo começo…

Depois de muito tempo sem blogar, cada dia que entrava em outros blogs, via uma necessidade enorme de voltar a ter os meus próprios registros. Inicialmente meu antigo blog foi feito para me ajudar melhor com hobby que havia acabado de descobrir em 2010, o scrapbooking, através dele participava de desafios, tutoriais e interagia com outras apaixonadas por essa arte. Infelizmente aos poucos fui deixando o scrap um pouco de lado, correndo com a vida e acabei que abandonei meu espaço.

Já não é recente minha vontade de voltar escrever, e desta vez escrever de uma forma diferente, estou passando por muitas mudanças em minha vida, tanto no campo profissional como no pessoal, as quais gostaria de registrar cada detalhe, então ao invés de compartilhar somente meus trabalhos em artes, minhas dicas de organização, arquitetura e afins, gostaria também de ter um espaço pessoal, onde pudesse guardar todas lembranças dessa fase de minha vida. Por tanto resolvi criar este novo espaço que já tenho um grande carinho.

Gostaria também de aproveitar e agradecer as meninas do Arquiternura, por terem me aceito no projeto, confesso que a vontade de compartilhar e participar com elas dessa troca de vivência em arquitetura me deram o ”ponta pé” que faltava para retornanr.

Obrigada meninas, tenho certeza que será uma maravilhosa experiência!

Beijos

Giovanna